sábado, 30 de julho de 2011

O renascer. O patrono dos Morgados de Vilartão. São Lourenço

     A câmara-mor 


     Durante as obras do solar foi encontrado um armário em pedra, numa parede da câmara-mor. 


      Eram dois armários colocados um de cada lado da porta. Restava só um, o outro encontrava-se destruído desde as obras do solar no séc.XVII.
      Estava o armário com as duas prateleiras  atulhadas de pedras e coberta a parede por caliça.
      Aquando do esvaziamento, no meio das pedras, estava deitado e escondido um Santo, São Lourenço.

   
Casa do Souto. Gavião. Famalicão

   Mas este apresentava uma particularidade, tinha a fronte bastante polida. 


    Ao longo de séculos por oscilação nas pedras a fronte ficou polida. Ou talvez não, a culpa não foram das pedras, afinal ele era o patrono dos Morgados.
   Quando perfez quatro séculos resolveu revelar-se. A partir daí tenho-o tido  sempre junto de mim.

        Igreja de Vilartão


      Patrono de Vilartão - São Lourenço


 

"São Lourenço, mártir

São Lourenço sofreu o martírio durante a perseguição de Valeriano, em 258. Era o primeiro dos sete diáconos da Igreja romana. A sua função era muito importante o que fazia com que, depois do Papa, fosse o primeiro responsável pelas coisas da Igreja. Como diácono, São Lourenço tinha o encargo de assistir o papa nas celebrações; administrava os bens da Igreja, dirigia a construção dos cemitérios, olhava pelos necessitados, pelos órfãos e viúvas. Foi executado quatro dias depois da morte de Sisto II e de seus companheiros.

O seu culto remonta ao século IV.

Preso, foi intimado a comparecer diante do prefeito Cornelius Saecularis, a fim de prestar contas dos bens e das riquezas que a Igreja possuía. Pediu, então, um prazo para fazê-lo, dizendo que tudo entregaria. Confessou que a Igreja era muito rica e que a sua riqueza ultrapassava a do imperador. Foram-lhe concedidos três dias. São Lourenço reuniu os cegos, os coxos, os aleijados, toda sorte de enfermos, crianças e velhos. Anotou-lhes os nomes ... Indignado, o governador concedeu-o a um suplício especialmente cruel: amarrado sobre uma grelha, foi assado vivo e lentamente. No meio dos tormentos mais atrozes, ele conservou o seu "bom humor cristão". Dizia ao carrasco: "Vira-me, que deste lado já está bem assado ... Agora está bom, está bem assado. Podes comer!..."

Roma cristã venera o hispano Lourenço com a mesma veneração e respeito com que honra os primeiros apóstolos. Depois de São Pedro e São Paulo, a festa de São Lourenço foi a maior da antiga liturgia romana. O que foi Santo Estêvão em Jerusalém, foi São Lourenço em Roma." *


  

          

5 comentários:

  1. Que historia interessante!
    Ficou para si? Que sorte!

    Flávio Teixeira

    ResponderEliminar
  2. oi agradeço a visita e fique convidado a voltar quando quiser aqui e uma velha fazenda que compramos no ES fica perto a serra e ainda tem o mar entao aos poucos tudo foi reformado com muito esforço a maioria as coisas sao de madeira pois os marceneiros da casa dao conta mas fico feliz que tenha gostado seu blog tambem esta muito enterresante com estas reformas . estou te seguindo pra saber as novidades abraços

    ResponderEliminar
  3. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  4. Curiosa essa história do S. Lourenço emparedado! Será que se tratou do castigo a um santo mau milagreiro? Sabe que aqui em Lisboa aparecem muito santos em antigos esgotos. Eram imagens que não tinham cumprido a sua função de conceder graças ao devoto e que as pessoas atiravam ao esgoto, ao rio ou ao mar como castigo. Este fenómeno é muito conhecido dos arqueólogos de Lisboa. No núcleo museológico da Rua dos Correiros encontra-se exposto um Santo António, que foi atirado fora por um crente desapontado.

    Abraços

    Luís

    ResponderEliminar
  5. Quanto eu sei, por testemunhos recolhidos, havia a prática sempre que fechavam uma parede, deixar um santo dentro, com o fim de proteção.

    Um abraço
    Jmalvar

    ResponderEliminar