quinta-feira, 20 de outubro de 2011

O renascer. As consultas do Dr. Armando, de Vilartão. Rebordelo

    Rebordelo

   Perto de Vilartão, do outro lado do Rabaçal fica a airosa povoação de Rebordelo, onde foram frequentes as visitas médicas do Dr. Armando. 
   Pertencente ao concelho de Vinhais, Rebordelo terra que foi de cristãos-novos, compreende  os lugares de  
 Rebordelo e Vale de Armeiro.


  


   "De acordo com o saboroso ritonelo, tão do agrado das gentes desta freguesia, ``em Rebordelo há só fartura''. E na realidade as suas características muito próprias, de afinidades com as da terra quente transmontana, permitem-lhe produzir um pouco de tudo: azeite, vinho, castanha, amêndoa, noz figo, diversos produtos hortícolas e cereais. De grande significado é também a criação de gado ovino.

Na área da freguesia há duas minas de estanho, denominadas ``Alto do Sarilho'' e ``Trigueiriça n. o 1''. Julga-se que a sua exploração remonte a tempos muito antigos. Embora desactivadas há algum tempo, as suas potencialidades continuam-se a manter; o problema é que hoje não se verifica qualquer interesse na extracção e aproveitamento daquele minério. Rebordelo foi um centro muito importante da indústria da seda, que continuou em laboração contínua, mesmo depois do aparecimento da moléstia do sirgo, que quase aniquilou aquela indústria na região de Bragança.
Rebordelo é uma freguesia servida por bons acessos viários desde Mirandela, Valpaços, Chaves e Vinhais. A povoação principal é de granito. Junto à estrada, construções novas contrastam com o velho burgo, confirmando os ventos de mudança que nos últimos anos se têm feito sentir por aqui. Tem bairros com identidade muito própria: Igreja, Lombo, Carril, Fontainha, Eiró e outros de menor importância. A gente desta freguesia é o repositório de uma cultura popular que teima em sobreviver: lendas, rezas, tradições, medicina popular.
Rebordelo é uma população muito antiga que já é citada nas Inquirições de 1258. Nessa época já se tinha dado a instituição da ``parrochia de Sancti Laurenti'' que tinha algumas paróquias sufragâneas: ``ecclesia de Nuzedo de Sub-Castelo et eclesia de Val de Paaços quae sunt sufraganeae de eclesia de Sancti Laurenti''. Mais tarde, a igreja de S. Lourenço foi uma abadia da apresentação do padroado real. Pelos finais dos padroados, extintos no século XIX, o abade de Rebordelo tinha um rendimento de 300 mil réis. Rebordelo é terra de judeus, dizem os vizinhos. No bairro do Carril há uma casa que, à entrada, tem uma estrela de David gravada no granito.
Mas a instalação das primeiras comunidades humanas em terras de Rebordelo remonta a tempos pré-históricos, como indicia a sua arqueologia. Na Fraga dos Mouros, gruta natural no meio de brenhas graníticas, há uma antecâmera onde se notam ranhuras, indiciando a existência, em tempos, de uma porta. No interior existe uma espécie de mesa. Atendendo à morfologia do sítio, tudo indica uma ocupação desta gruta desde remotos tempos."
  Retirado de 
  http://www.rebordelo.net/corografia/

















Ao longe avista-se Vilartão
Ao longe Vilartão e a imponente Esculca

6 comentários:

  1. Caro Joaquim Malvar,
    De vez em quando venho aqui apreciar as suas fotografias de aldeias transmontanas e nestas gostei muito de ver várias casas com a típica arquitetura dessas terras, a escadaria de pedra a conduzir à entrada no primeiro andar, o telheiro com traves e estrutura em madeira, e a ver-se no rés-do-chão a porta da loja onde se guardavam (ainda guardam?) os animais.
    Mas confesso que também o que contribui para as minhas visitas é o belo fundo musical que se vai ouvindo em crescendo e me delicia.
    Ando com uma dúvida: a melodia parece-me ser de Vangelis, de quando ele foi o compositor de um grupo dos anos 60-70, o Aphrodite's Child, juntamente com Demis Roussos e tiveram um grande êxito chamado "Rain and Tears".
    Embora esta aqui seja só instrumental e a "Rain and Tears" fosse uma canção com letra e música, parecem-me ter a mesma melodia.
    Fico a aguardar o seu esclarecimento.
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  2. Olá, Maria Andrade!

    Fico muito contente com a sua visita e gostar do fundo musical.
    Indico-lhe, entretanto, um endereço de uma versão atual de "Canon em D maior" de Johann Pachebel, especial para si esperando que goste.

    http://www.youtube.com/watch?v=OlSpPmdhlpY&feature=related

    ResponderEliminar
  3. Olá, Maria Andrade!

    Espero que tenha gostado.

    Johann Pachebel é um compositor alemão do séc.XVII,nascido em 1653, 9 anos após a instituição do Morgadio de Vilartão, em 1644,por isso e porque gosto do "Canon in D mayor" escohi-o para fundo do blog.

    Um grande abraço
    Jmalvar

    ResponderEliminar
  4. Muito obrigada por este link do youtube com uma versão também muito bonita deste tema.
    Foi uma ótima escolha como fundo do blogue e
    afinal tem mais quatrocentos anos do que eu imaginava!!!
    Já agora, deixo-lhe aqui uma das versões da canção dos Aphrodite's Child (feche os olhos para não ver as figuras ridículas dos rapazes vestidos e penteados à época. lol)

    http://www.youtube.com/watch?v=7t7ZNkkNdBM&feature=related

    De certeza que se basearam na composição do Pachebel, eu é que não sabia...
    Conheço muito pouco de música clássica, mas sempre fui muito sensível à música e há muitos temas destes que me apaixonam.
    Abraços e muito obrigada por estes belos momentos.

    ResponderEliminar
  5. Houve aqui um pequeno lapso nas minhas contas de cabeça :) - a composição do Pachebel foi criada "só" trezentos anos antes do tema do Vangelis para os Aphrodite's Child.

    ResponderEliminar
  6. Joaquim como suas fotos são belas a arquitetura muito interessante obrigado pela visita e pelas palavras pra ti também um pensamento Uma nuvem não sabe porque se move em tal direção. Sente um impulso... É para este lugar que devo ir agora. Mas o céu sabe os motivos e desenhos por trás de todas as nuvens, e você também saberá, quando se erguer o suficiente para ver além dos horizontes. (Richard Bach) boa semana pra ti Erica

    ResponderEliminar