sábado, 5 de maio de 2012

O Solar de Vilartão. Passagens Secretas.





Castelo de Monforte de Rio livre

    A partir de inícios do séc.XVII, os alcaides do castelo de Monforte de Rio livre cansados do desconforto de viver na alcáçova do castelo passaram a dispor também de uma residência, ali bem perto, dispondo das comodidades que as casas depois do Renascimento, na Idade Moderna, já proporcionavam.  

Torre de menagem. Alcáçova



Pormenor de janela do Solar de Vilartão


   Naturalmente que nessa época, a casa tão próxima da fronteira  e a região com  guerras permanentes (Guerras da Restauração) não podia descurar em termos de segurança  e essas duas salas, no extremo do edifício, possuíam fortes grades de ferro. 

As janelas  gradeadas

  Com apenas duas portas de acesso a essas duas salas ( câmara-mor e trans-câmara) com possibilidade de serem trancadas por dentro possuíam ainda uma escapatória para em último recurso poderem pôr-se a salvo por acesso direto a uma das cavalariças, a mais recuada e a mais segura do solar. 


Alçapão




   Escondido atrás da mesa, este depois do restauro permanece discreto ao olhar desatento mas sempre pronto para uma emergência.








Escada do alçapão

6 comentários:

  1. os meus filhos acharão esse alçapão uma graça e eu próprio também. Manter estes pequenos segredos da casa é manter algo da sua história e proporcionar aos netos momentos de magia.

    Abraços

    ResponderEliminar
  2. Pestana Bettencourt8 de maio de 2012 às 00:25

    Amigo,Joaquim
    Agora,depois de toda essa beleza de casa,terá que assistir ao tecto
    Será impressão minha ou ainda não atacou o tecto?
    Com estas chuvas,lá se vão as melhorias da casa,sem o tecto
    Beleza de casa
    Parabêns
    E não me leve a mal
    Abraço

    ResponderEliminar
  3. Olá Luís.

    Quando não passa despercebido, o alçapão, é motivo de curiosidade que aumenta uma vez aberto e por ele se desce. Por baixo verifica-se que aqui o solar no séc.XVII foi construído sobre alicerces com muitos séculos.

    Abraços

    ResponderEliminar
  4. Caro Pestana Bettencourt.

    Agradeço o deu comentário.

    Foram dadas como prioritárias as obras de infraestruturas, assim os telhados e isolamentos térmicos foram executados.
    Por outro lado houve o cuidado de a intervenção ser o mais minimalista possível mantendo o mais original possível.

    Volte sempre.
    Abraços

    ResponderEliminar
  5. Caro Joaquim Malvar,
    Adorei ver todo este interior restaurado, belas peças de mobiliário e, como seria de esperar estive muito atenta às faianças. Tem belos pratos em cima da mesa e veem-se pratos e travessas ao fundo da sala que também se adivinham de qualidade!
    Belíssima obra, parabéns!
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cara Maria Andrade.

      Agradeço o seu comentário e em particular o reconhecimento vindo de si.
      Foram sete anos de muito trabalho e sacrifícios numa casa com cerca de 1200m2 de cobertura que estava muito degradada.
      Também não foi fácil posteriormente povoar aqueles imensos espaços com objectos.
      Volte sempre

      Abraços

      Eliminar